Dicas e cuidados

Como funciona uma embreagem


Conheça um pouco mais sobre a peça para entender qual o problema que o seu veículo está lidando.

A embreagem fica localizada entre o motor e a caixa de câmbio. Possibilitar a saída do veículo, transmitir torque quando em marcha, interromper o fluxo da força entre o motor e a caixa de câmbio nas trocas de marchas e paradas, proteger o motor e a transmissão contra sobrecargas e amortecer as vibrações de transmissão são suas principais funções.

Ela é composta por três elementos: rolamento da embreagem, platô e disco. O platô, por sua vez, é composto por outras três partes: a carcaça da embreagem, a placa de pressão e a mola membrana.

Então como funciona? Bom, ao acionarmos o pedal da embreagem, o fluido no interior do circuito hidráulico pressiona o embolo do servo da embreagem. A haste externa aciona a alavanca e o garfo de embreagem ao mesmo tempo. Assim, o garfo puxa o mancal da embreagem contra a mola membrana, que atua como uma alavanca, tirando a pressão do disco e afastando a placa de pressão do volante. Com isso, conseguimos desacoplar o disco de embreagem com o volante, e é assim que acabamos a transmissão de torque para a caixa de câmbio através do eixo piloto.

Depois que o disco é desacoplado, ao pisarmos no pedal de embreagem, a placa de pressão também é desacoplada. O volante continua girando porque está ligado ao giro do motor e o platô também continua porque está preso ao volante. Mas enquanto isso, o disco desacelera até parar e o eixo também, porque está ligado ao disco, interrompendo assim a transmissão de movimento para a caixa de câmbio.





 

Cuidados



Muitos ainda não sabem que os danos na embreagem do veículo podem estar ligados com o modo que o motorista dirige. É importante ficar ciente de alguns erros que cometemos ao dirigir para sempre tomarmos as devidas medidas no trânsito e cuidarmos do nosso veículo.

Veja quais cuidados tomar e prolongue a utilização e a vida útil da embreagem do seu veículo.

Utilize o pedal da embreagem apenas no momento de troca de marcha. Não descanse o pé sobre o pedal, isso provoca um aquecimento excessivo do sistema e um desgaste prematuro dos componentes.

Nunca segure o veículo em uma rampa utilizando a embreagem como freio. Isso causa desgaste excessivo do disco. Sempre utilize o freio nessas situações

Não ultrapasse a capacidade de carga especificada pelo fabricante do veículo.

Evite acionar e soltar bruscamente a embreagem.

Não inicie bruscamente a marcha, evitando arrancadas bruscas

Nunca saia com o veículo em segunda marcha.

Evite reduções bruscas de velocidade, freando ou desacelerando subitamente o motor.

Problemas mais comuns


A Riplat preparou para você uma pequena lista com alguns dos problemas mais comuns encontrados em embreagens.

Por que a embreagem trepida?

1. A suspensão do motor ou câmbio não está em ordem.

2. Cabo da embreagem sem movimento livre.

3. Revestimento oleados.

4. O mancal de encosto e o platô não estão paralelos.

5. A regulagem do platô de embreagem foi violada.

6. O rolamento do eixo piloto não foi montado no volante.

7. O virabrequim não está em alinhamento com o eixo piloto.

8. A carcaça do platô de embreagem foi deformada por ocasião da desmontagem ou da montagem.

 

Por que a embreagem não separa?


1. Espessura do disco acima da tolerância máxima ou uso de disco não adequado.

2. Oscilação dos discos muito grande.

3. Cubo engripa no eixo grande.

4. A folga entre o mancal de encosto e o platô está muito grande.

5. O rolamento do eixo piloto está defeituoso ou não gira livremente.

6. O sistema de acionamento da embreagem tem muita folga.

7. Mola de retrocesso deformada na montagem ou reduzida brusca.

Por que a embreagem patina?



1. Volante fora de medida.

2. Os revestimentos sofreram desgaste excessivo.

3. Os revestimentos estão oleados (a vedação do câmbio ou virabrequim
não está em ordem - o perfil do eixo piloto recebeu muita
graxa na montagem).

4. Folga entre o rolamento e o platô é muita pequena, ou inexistente.

5. A embreagem foi superaquecida.

6. Erro de aplicação. Carga do platô inferior ao especificado.